domingo, 20 de setembro de 2009

Sobre o amargo do amor

Talvez fosse apenas o cinza dos dias ou o desequilíbrio da razão, mas quis por assim mesmo ver um amanhecer. Amanhecer, que era o perfeito oposto do entardecer que propusera outrora. Talvez fosse loucura sua ou uma simples ilusão de ótica, tudo parecia estar em par. Os cachorros roubavam ossos, as crianças corriam, os jovens namoravam. Apenas as árvores, coadjuvantes daquele filme açucarado estavam sozinhas.

Eram árvores grandes, de folhagens fartas e repletas de flores. Aparentavam estar firmadas naquele parque há décadas. Talvez fossem apenas testemunhas de amores, dores públicos - e de sua sozinhez, agora. Eram imponentes, como se dissessem que podiam sim, serem tão bonitas, mesmo que sem pares.

E enquanto todos os pares do mundo uniam-se em um coro agudo e insuportável ao coração só, ele pensou no Sol, que conhecia de perto a verdadeira solidão. Sofrido o gigante alaranjado, que tinha a distância e a natureza como inimigas.

Engoliu com pesar o suco de fruta, tão doce que acabava azeda. As árvores, sozinhas, farfalham ao sabor do vento, rindo do rapaz que dizia que jamais conheceria dos dissabores de Eros. Mal sabia ele que já estava mergulhado no amargo do amor.

7 comentários:

  1. Ficou bonito, mas lembro um parque antigo, com palmeira imperiais, que nos fazem sentir pequenos e tão novos...

    Fiquem com Deus, menina Sam e menino Bertonie.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Eu li mas aqui tem muito barulho no puteiro que eu moro ai nem entendi OO'

    HASUEHUSHEUASI'

    Mas penso que o amor tem vários sabores, sei lá ._.'

    ResponderExcluir
  3. "Eram imponentes, como se dissessem que podiam sim, serem tão bonitas, mesmo que sem pares."

    Gostei tanto desse trecho. Talvez por eu não ter um par e me achar bonita do mesmo jeito. :D

    E o rapaz, o pobre, mergulhado no amor, sem curtir sua solidão, que, talvez, nem pudesse ser tão aterradora.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Eu gosto da palavra FARFALHAR.
    E o amor não é amargo.
    O amor é Agridoce.

    bjOoO

    ResponderExcluir
  5. Sempre textos que me fazem pensar. Conheço ( infelizmente, muito bem) esta sensação de todo o mundo estar em par. ;x

    ;*

    ResponderExcluir
  6. As vezes me sinto mal por ver todo mundo com seu par e eu não...
    Mas eu amo ser solteira!
    bjoo =)

    ResponderExcluir
  7. licençaaaaaaaaaaaaaa, tô entrando.
    desculpa a invasão mas...sera q posso fazer parte do seu blog? adorei ele, aguardo resposta. bjusss

    ResponderExcluir

Caso o hóspede não aproveitou dos serviços desse hotel, a equipe do Hotel de Papelão acha melhor não usufruir dos meios de comunicação aqui presentes. Atenciosamente, Bertonie e Sam.
Resumindo: não leu, dá meia-volta e abraça a pessoa mais próxima. Mas não comenta. Beijo, nos liguem.